Deixar de Embalar a Filha

Criado: Segunda, 19 Fevereiro 2018 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Na tarde da segunda-feira de carnaval, Silvia pensou em irmos a um shopping center e eu, em testar uma coleira infantil em Clara, tanto porque esta já não quer ficar muito no meu colo quando me locomovo na cadeira de rodas quanto para andar e ter sono à noite. Acabamos indo a outro lugar e, à noite, Clara demorou uma hora e meia para dormir, embora não dá para ter certeza que foi pela falta de movimento. Ter a embalado durante esse tempo me causou distensões nas costas e virilha, o que me fez perceber que há semanas venho ficando com dores musculares sempre que a embalo por mais de 20 minutos e que está chegando o momento de parar de fazê-lo, pelo peso de Clara (no mínimo 12kg). Para mim, é uma decisão difícil independente das dificuldades da transição, pois é na hora de dormir que Clara mais faz questão da minha presença. Talvez esta continue adormecendo comigo de algum outro modo, já que às vezes vem se aconchegar em mim quando sente sono e não a colocam no carrinho.

0
0
0
s2sdefault

Pegando no Pé

Criado: Sexta, 09 Fevereiro 2018 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Às vezes, figurativa e literalmente Clara pega no meu pé para tocar música no tablet.

0
0
0
s2sdefault

Mão de Homem

Criado: Segunda, 05 Fevereiro 2018 Escrito por Ronaldo Correia Junior

De tanto embalar Clara, pela primeira vez na vida tenho uma “mão (esquerda) de homem”, cuja palma é encaliçada e tem pele grossa.

0
0
0
s2sdefault

Músicas para a Filha

Criado: Segunda, 05 Fevereiro 2018 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Quando as filhas de Silvia ficam com o pai, em geral Clara gruda nela, dificultando muito fazer as tarefas domésticas. Um dos meus poucos recursos para entreter Clara e facilitar o trabalho de Silvia é tocar músicas infantis no meu tablet, embora muitas vezes isso não funcione.

0
0
0
s2sdefault

Após a Queda

Criado: Quarta, 31 Janeiro 2018 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Após a queda que dei de cadeira de rodas, Clara não gosta mais de me ver deitado no chão e sempre fica querendo me levantar, às vezes com algum nervosismo.

0
0
0
s2sdefault

Qual Segurança?

Criado: Segunda, 29 Janeiro 2018 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Cedo ou tarde, todas as minhas amigas e namoradas acabavam dizendo que sentiam-se seguras comigo apesar da minha fragilidade física, um mistério que nunca consegui desvendar. Mais compreensível é que transmita segurança a Clara na ausência de sua mãe, afinal cuido dela, a protejo, sou seu pai. Porém, logo no primeiro dia em que notei que Clara veio para meu colo para se sentir segura me perguntei qual seria a segurança que poderia dar a ela se Silvia viesse faltar de vez, por algum acidente ou mal súbito, com todas minhas limitações físicas, baixa renda, pais que já estão com mais de 80 anos e que ainda precisam cuidar da minha irmã que tem deficiência física e cognitiva, etc. Fiquei apavorado e, desde então, sempre que começo o mesmo raciocínio procuro me acalmar pensando que Silvia é forte, tem ótima saúde e que tal situação é improvável.

0
0
0
s2sdefault

Imitando o Pai

Criado: Quinta, 18 Janeiro 2018 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Há três dias, Clara pegou minha prancha de comunicação, veio para perto de mim e começou a mexer nesta com os pés. Não sei se sua intenção era conversar comigo, mas no mínimo estava me imitando.

0
0
0
s2sdefault

Uma Queda

Criado: Sábado, 13 Janeiro 2018 Escrito por Ronaldo Correia Junior

No último domingo, após estacionar o carro na garagem Silvia resolveu que Clara iria andando até o elevador em vez de comigo na cadeira de rodas. Quando a porta se abriu, por um momento Silvia ficou indecisa entre evitar Clara de entrar no elevador e puxar a cadeira, achei que podia conduzir esta com os pés para subir um aclive que existe no local, mas, ao invés disso, esta virou para trás. A estrutura da cadeira protegeu minhas costas e tive o reflexo de enrijecer o pescoço para a cabeça não bater no chão, de modo que nada sofri. Mas ao me ver caído no chão, Clara entrou em desespero, apontando as mãos alternativamente para Silvia e para mim pedindo que a mãe me acudisse logo. Dois dias depois, me deitei no chão e Clara ficou um pouco aflita querendo me levantar. Diante da ligação de Clara com Silvia, tendo a pensar que tenho pouca importância para ela, mas essa queda mostrou que tal suposição está errada.

0
0
0
s2sdefault

Consciência das Limitações do Pai

Criado: Domingo, 31 Dezembro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Clara parece estar começando a ter consciência das minhas limitações e necessidades: ontem à tarde íamos sair, Silvia trocou minha roupa, saiu do quarto e Clara me deu a mão para andar comigo, gesto que repetiu na sala; e hoje, ela trouxe minha prancha de comunicação para perto de mim e ficou a apontando com o pé, como se quisesse conversar comigo.

0
0
0
s2sdefault

Porto Seguro

Criado: Segunda, 25 Dezembro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Faz uma semana que, sempre que Silvia sai, Clara acaba vindo para meu colo, às vezes permanecendo muito tempo. Parece que, na falta da mãe, sou o porto seguro dela.

0
0
0
s2sdefault

Reaproximação

Criado: Segunda, 27 Novembro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Talvez por ter encontrado novos meios de brincar com Clara, seu distanciamento de mim já começou a se reverter, voltando a falar “papai”, vir espontaneamente para meu colo e, ontem, passou a me abraçar e beijar.

0
0
0
s2sdefault

Primeiros Cuidados da Filha

Criado: Sábado, 25 Novembro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Há uns dois meses, Clara começou a ensaiar cuidar de mim, tentando me vestir, alimentar, levantar, limpar, etc. A princípio, ficamos surpresos, mas logo Silvia percebeu que em toda sua ainda curta vida Clara a viu fazendo tais coisas e é natural que a imite.

0
0
0
s2sdefault

Continuando a Cuidar da Filha

Criado: Terça, 21 Novembro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Neste domingo, Silvia foi ao sorteio do amigo secreto do condomínio em que moramos e, o que sempre me deixa apreensivo, fiquei sozinho com Clara. Entreti ela com brinquedos sonoros e, depois, veio se deitar no meu colo. Então lembrei que, em junho, quando estava aprendendo andar temi que não pudesse mais cuidar dela – mas, ao contrário, isso se tornou mais fácil. E tenho a impressão de que, quando preciso evitar que Clara se machuque, minha coordenação motora melhora, inclusive apresentando reflexos incomuns.

0
0
0
s2sdefault

Passeio pelo Mercado Municipal

Criado: Quinta, 09 Novembro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Adoramos o Mercado Municipal de Curitiba e fomos lá ontem. Antes, passamos numa loja de artigos de confeitaria na rua ao lado, a vendedora que nos atendeu percebeu que somos casados e deixou Silvia contente por não haver pensado que sou seu filho, o que não impediu aquela de falar “(coi)tadinho” e perguntar se nos casamos antes de eu adquirir a deficiência – depois, dentro do Mercado Silvia me disse “tadinho é porque ela não sabe como você é safado”. Ao nos sentarmos para comer uma torta, segurei firme no braço de Silvia, ela falou que gosta da minha “pegada” e fiquei muito surpreso, pois até então pensava que fazia esta com força e descontrole demais, de modo que não era agradável. Quando andávamos no Mercado, um vendedor evangélico me disse “Jesus te ama” e pensei “e o Diabo também” – que maldade a minhalaughing

0
0
0
s2sdefault

Idolatria

Criado: Sexta, 03 Novembro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Às vezes, algum conhecido, amigo ou parente meu – não meus pais e irmãos – fala como se botasse Silvia num pedestal, a idolatrasse ou algo parecido, e eu devesse fazer o mesmo, por ter se casado comigo. No início do nosso relacionamento, também às vezes eu fazia esse movimento, mas sua própria paixão por mim o interrompia, pois significava que eu não estava abaixo dela – na época, fui até pretensioso em algumas ocasiões. Recentemente, ao conversarmos sobre os motivos de sua atração por mim, a própria Silvia riu dessa atitude porque, quando me procurou, foi por interesse próprio e não por bondade. De fato, ela me acha bonito, tem desejo por mim, gosta do meu corpo, etc; eu mesmo estranho suas preferências, mas esta é uma questão de gosto pessoal. Se eu adotasse aquela atitude, nossa relação não seria equilibrada e saudável – de qualquer forma, tenho senso crítico demais para idolatrar alguém, inclusive a mulher da minha vida. Curiosamente, não vejo o mesmo tipo de discurso nas pessoas relacionadas com Silvia – obviamente, isso não significa que não ocorra, pois pode ser um viés da minha percepção.

0
0
0
s2sdefault

Sexualidade Rejeitada

Criado: Sábado, 28 Outubro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Sempre fui afirmativo quanto à minha sexualidade, lutei para ter uma vida sexual por mais que causasse atritos e brigas com minha mãe e incomodasse a família, mas em 1998 entrei na onda dos meus pais de que era melhor suprimi-la, por vários motivos. À época, era uma amiga homossexual – que também era amiga da família apesar do conservadorismo dos dois – que me levava a prostibulos, esta foi morar com uma mulher, deixou de me prestar esse favor e fiquei sem sexo por muito tempo. Como consequência, quando ejaculava involuntariamente à noite meu semem saia com sangue e logo pensei em câncer da próstata, até o urologista que consultei dizer que a causa era escamação da vesícula seminal por acúmulo de líquido. Estava apaixonado por uma mulher, que até me correspondeu mas era incapaz de ter um relacionamento com um homem com deficiência e nada houve entre nós, o que foi muito doloroso. E precisar de prostitutas pode fazer mal à autoestima de um homem.

Por tudo isso, pensei que era melhor não ter sexualidade – como se fosse possível! – e não ligar mais para o sexo. Então, quando ia começando uma ejaculação involuntária noturna tinha uma contração muscular que impedia a saída do semem e que ia até panturrilha da perna. Voltei ao urologista e ele não soube explicar o que acontecia – só após o problema ser resolvido é que concluí que era um mecanismo psicológico para negar a necessidade de sexo.

Ironicamente, quem resolveu o problema foi minha mãe. Fiquei esperando uma oportunidade de expor a situação para a amiga citada, pessoalmente ou por carta. Ela havia me apresentado um conhecido que tinha uma paralisia cerebral leve, que nos convidou para seu casamento religioso. Nessa cerimônia, não vi oportunidade alguma de abordar o assunto e deixei para fazê-lo por carta. Essa amiga nos deu uma carona para casa, estava com uma menina de uns 12 anos de sua família e minha mãe – que às vezes ignora totalmente as normas sociais e fala as coisas mais inconvenientes de modo cru – simplesmente pediu com todas as letras que ela me levasse para transar, a assustando tanto que ela quase perdeu o controle do carro e me fazendo passar uma das maiores vergonhas da minha vida! Fui ao prostibulo temendo muito ter aquela contração na hora H, mas não foi o que ocorreu.

Tive o insight de digitar este post há três dias, mas relutei em fazê-lo pelo avanço do obscurantismo e do (falso) moralismo no Brasil. Acabei decidindo publicá-lo porque não me exporia mais do que noutros textos do blog, para me opor a esse movimento, embora de forma modesta, e para ajudar outras pessoas com PC a lidar com sua sexualidade, algo quase sempre difícil. De qualquer modo, se não teimasse, insistisse em exercer minha sexualidade, contra alguns aspectos da moral tradicional, não teria me casado e gerado uma filha.

0
0
0
s2sdefault

Casamento Montanha Russa

Criado: Domingo, 22 Outubro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

No início deste mês, nosso casamento informal fez dois anos – começamos a morar juntos três meses antes. Silvia me perguntou se achava que esse tempo tinha passado rápido, como o foi para ela, ou havia sido uma eternidade. Não gostei dessas metáforas, pois vejo tal período como uma montanha russa na qual momentos em que uma catástrofe parece iminente – e fico estressado a ponto de medir minha pressão arterial com frequência, consultar um cardiologista, etc – alternam-se com outros de grande alegria, júbilo, satisfação, embora o sentimento subjacente a esses altos e baixos seja de felicidade e vitória. E ao meu amor somou-se uma grande admiração por ela.

0
0
0
s2sdefault

Distanciamento da Filha

Criado: Quarta, 18 Outubro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Às vezes, me emociono só observando Clara fazer as coisas mais triviais, mas sua ligação comigo nunca foi forte porque não posso a alimentar, banhar, vestir e, pelo perigo de machucá-la, fazer muitas carícias e brincadeiras. Após Clara passar a ficar oito horas no berçário, tal ligação se enfraqueceu muito – ela praticamente deixou de me acariciar, falar “papai”, etc –, pois quase não há mais tempo para ficarmos juntos. De fato, recentemente Clara passou uma semana com amidalite, tive de ficar bastante tempo cuidando dela, inclusive para Silvia manter um ritmo mínimo de trabalho e não correr risco de ter uma estafa – eu é que tive um mal-estar depois de três noites quase sem dormir –, e várias vezes ela espontaneamente veio para meu colo, mas depois que curou-se voltou a não querer saber muito de mim. Fico triste com esta situação e o que me anima é lembrar que, quando vim morar em Curitiba, as filhas de Silvia tinham 4 e 6 anos e bastou dar carinho para estas gostarem demais de mim – espero que o distanciamento de Clara se reverta do mesmo modo.

0
0
0
s2sdefault

Um Filme Indiano

Criado: Domingo, 15 Outubro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Silvia adora o cinema indiano, o segundo do mundo em faturamento e o maior em número de filmes, e tiro muita onda de algumas características dele, como geralmente ter uma parte musical – fico dançando de modo afetado. Ontem, eu mesmo quis assistir “Margarita com Canudinho”, cuja protagonista é uma mulher com paralisia cerebral. Um dos elogios de Silvia – para mim duvidoso – a tal cinema é a ausência de cenas de sexo e este filme foi a primeira exceção que conhecemos, abordando a sexualidade de pessoas com PC e a homossexualidade feminina, dois temas difíceis, o que me fez brincar que fiquei “chocado” ao vê-los num indiano – numa época em que o obscurantismo avança no Brasil e em grandes partes do mundo, foi esperançoso ver que há países que podem estar na direção oposta.

Este filme reforçou a hipótese de Um Padrão no Primeiro Amor?: nos apaixonamos pela primeira pessoa que nos trata como seres humanos – isso acontece na Irlanda, México, Índia, Brasil, etc –, embora nem sempre seja o primeiro sentimento do tipo, já que parece ser frequente acontecer com um(a) colega de alguma instituição – clínica de reabilitação, faculdade, etc – que também tenha PC. Ao assistir a filmes com personagens com PC, na parte que aborda nossas dificuldades em ter relacionamentos amorosos – são realistas nesse aspecto, mostrando que a maioria não os consegue – tinha vontade de chorar, mas neste disse para mim mesmo “esta batalha tu venceste”. A mãe da protagonista morre, o que me fez ter refluxo porque é algo que ainda terei de viver, uma perspectiva que me angustia há décadas, e foi difícil demais deixar de cuidar da minha para me casar com Silvia.

0
0
0
s2sdefault

Cadeira de Rodas

Criado: Domingo, 08 Outubro 2017 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Das limitações físicas que tenho, a que menos era aceita por minha mãe era não andar e precisar me locomover em casa engatinhando, me ”arrastando pelo chão como um animal” na sua expressão. Ela fez de tudo para eliminar tal limitações e chegou muito mais perto de consegui-lo do que se pode inferir dos meus atuais vídeos: diariamente, ela me levava para treinar andar no pátio do prédio onde morávamos em Recife e cheguei a puder andar uns 20m solto, sem ajuda, até que levei uma queda em que bati a cabeça no chão, tive convulsão (não relacionada à PC) e ela parou esse treinamento. Depois foi decidido – não lembro por quem nem em quanto tempo – comprar uma cadeira de rodas para mim e minha mãe ficou desolada, pois significava que seu maior desejo para o filho nunca seria realizado. Mas quase não usava as cadeiras que tive em Recife, pela escassa acessibilidade da cidade – que, embora lentamente, vem aumentando –, e acabavam enferrujando e se estragando, exceto a última. Ainda assim, aquela primeira cadeira me permitiu brincar o carnaval de 1988, uma das melhores e mais loucas experiências da minha vida.

A cadeira de rodas realmente passou a fazer parte do meu cotidiano só após vir morar em Curitiba e, então, voltei a ter o prazer de andar pelas ruas – o melhor modo de se conhecer uma cidade – com relativa liberdade e sem fazer um esforço extremamente cansativo para mim e quem anda comigo – a deambulação de alguém com PC consume energia demais, inclusive por forçar muito o sistema cardiorrespiratório. Quando vem nos visitar e me fotografa com Silvia e/ou Clara, minha melhor amiga sempre me fala para editar as fotos de forma a cortar a cadeira porque acha feio, mas sempre as publico com esta com certo orgulho pois, além de não ver problema estético algum, penso que não é muito incomum se ter uma esposa e uma filha lindas, exceto quando se tem uma deficiência e a cadeira de rodas simboliza isso.

Repetindo um truísmo entre as pessoas com deficiência mais reflexivas, a cadeira de rodas nos é algo positivo, não é uma prisão e sim um instrumento de liberdade.

0
0
0
s2sdefault