A Segurança do Pai II

Criado: Domingo, 02 Junho 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Clara fez duas apresentações em festas da escola, no ano passado, e ficou imobilizada de medo da plateia, do que até rimos. Ontem foi a festa junina do colégio e, enquanto esperava para subir ao palco, Clara buscou segurança no meu colo em vez no de Silvia, o que me surpreendeu porque, até então, isso só acontecia na ausência da mãe e já tem consciência da minha vulnerabilidade física – a função psicológica da figura paterna de dar proteção prevaleceu. Dessa vez, Clara enfrentou a plateia e dançou, embora não dê para saber em que medida foi pela segurança que transmiti, pois Silvia fez muitos preparativos – comprou um vestido bonito, conversou com ela, etc.

0
0
0
s2sdefault

Reaproximação

Criado: Sexta, 31 Maio 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Clara voltou a se reaproximar de mim após a viagem a Recife, brincando mais comigo.

0
0
0
s2sdefault

Cartas Desconcertantes

Criado: Terça, 28 Maio 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Passamos meu aniversário em Recife, minha melhor amiga não pôde ir, o que me entristeceu, mas deu o melhor presente que eu poderia ganhar nas atuais circunstâncias – as cartas que escrevi antes desta ter e-mail e que serão um material precioso para meu livro. Tais cartas começaram em 1989, resistiram a quatro mudanças de endereço desta amiga e me foram devolvidas quando já estávamos no carro, indo ao aeroporto para voltar a Curitiba.

Há seis dias, à noite nossa maior diversão é ler juntos tais cartas, que depois são fotografadas por Silvia e salvas na “nuvem” por mim. Essa leitura tem me despertado uma profusão de sentimentos que muitas vezes não consigo expressar, fico sem saber o que pensar. Para mim, o que mais se destaca é o quanto soube mudar meu modo de ser e de pensar, minhas ideias e atitudes, de acordo com as oportunidades que surgiram – sobretudo a psicoterapia, a difusão da Internet e o sucesso do meu site, em particular com as mulheres, na década de 1990 – e alcançar meus objetivos. Por outro lado, combinando o que lê nas cartas com suas próprias lembranças de quando éramos amigos virtuais, em 2000, Silvia me falou “você costuma conseguir o que quer” – obviamente, com ajuda de familiares, amigos, conhecidos e até estranhos. Sempre rejeitei, critiquei que me atribuam o rótulo de “vencedor”, entre outros, mas agora é assim que me sinto e, para aumentar a ironia, meu primeiro nome – que detesto e não uso – tem justamente este significado. É desconcertante!

0
0
0
s2sdefault

Calçando o Pai

Criado: Domingo, 12 Maio 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

0
0
0
s2sdefault

Fisioterapia com a Filha V

Criado: Quinta, 09 Maio 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

0
0
0
s2sdefault

Normalidade Estranha II

Criado: Segunda, 06 Maio 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

A principal conclusão a tirar do último post pode ser que é preciso vivenciar tudo que pode dar errado no desenvolvimento de uma criança para saber o quanto a “normalidade” é difícil, incomum, e valorizar esta. Talvez supusesse que não poderia gerar, criar e educar uma filha saudável e psicologicamente equilibrada, e um indício disso é a paranoia que tive após seu nascimento, de que ela pudesse ter alguma lesão cerebral. Assim, um dos motivos da minha felicidade por ter Clara é a surpresa com sua “normalidade”.

0
0
0
s2sdefault

Normalidade Estranha

Criado: Quarta, 01 Maio 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

No fim de 2004, na primeira conversa com uma namorada fora da Internet comecei a descrever minha família, a cada problema que ouvia aquela exclamava “que legal!” e fui ficando invocado até termos um diálogo como este (esqueci as palavras exatas):

– Por que você acha “legal” cada problema da minha família? – perguntei.
– Porque todos são diferentes – essa namorada respondeu.
– Em que meu irmão é diferente? – o acho o único “normal” da família.
– É adotado.

Àquela época, para mim há muito a adoção dele já era trivial, mas ficou ressaltada para tal namorada porque preferia ter filhos adotivos a biológicos, como, aliás, Silvia (Freud deve explicar isso, embora eu não saiba bem como). Aquele episódio ilustra porquê, por ter paralisia cerebral e uma família cheia de problemas – além de considerações mais abstratas –, me desabituei com a normalidade ao ponto de precisar fazer esforço para não colocar aspas nessa palavra e sempre tenho em mente a frase de Caetano Veloso, “de perto ninguém é normal”.

O comportamento da primeira filha de Silvia é dificílimo e alguns aspectos deste foram absorvidos pela segunda, apesar de eu achar que, para ela, esta é a “filha ideal” – ou era antes dessa absorção. A própria Silvia é “normal” em tudo, menos no seu relacionamento comigo. Assim, ela também está um pouco desacostumada com a ‘normalidade”.

Na manhã desta terça, após comer sentada no chão Clara se levantou e foi botar o prato na mesa. Foi um gesto banal, mas depois tanto nossa empregada – cuja filha também é problemática – quanto eu o comentamos com Silvia, encantados, já que precisamos falar, repetir, nos esgoelar para as outras meninas o fazerem. Esse é só um dos exemplos de atitudes “normais” de Clara que deveriam passar despercebidos, mas que nos surpreendem. A “normalidade” pode ser bem estranha!

0
0
0
s2sdefault

Nova Arte Marcial

Criado: Segunda, 29 Abril 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Neste vídeo, Clara imita uma brincadeira do youtuber Luccas Neto.

0
0
0
s2sdefault

Primeira Saída após a Cirurgia

Criado: Sábado, 27 Abril 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Em princípio, o tempo de recuperação da retirada da vesícula é 30 dias, nos quais o paciente só deve pegar 10kg no máximo. Assim, eu esperava ficar um mês sem pôr os pés fora de casa, mas já uma semana após a cirurgia Silvia começou a querer sair comigo, fiquei discordando até ela argumentar que o peso que suportaria ao andar comigo não excederia aquele limite, pois faço a maior parte da força necessária – só haveria o perigo de me desequilibrar (o que sempre pode ocorrer) e, nesse caso, ou ela teria de deixar me esborrachar no chão ou comprometer seriamente a cicatrização de seus cortes. Aceitei tal risco, fora um leve desequilíbrio ao entrar no carro nada de errado aconteceu e passamos algumas horas agradáveis numa livraria, ontem. E obviamente Silvia não deixou de brincar que estava morrendo de dor e rir da minha cara.

0
0
0
s2sdefault

Brincadeira em Família

Criado: Segunda, 22 Abril 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Após o jantar, ontem fui para o computador, mas logo Clara começou a me chamar insistentemente para brincar. Foi uma alegria para mim, inclusive porque ela quis ficar no meu colo.

0
0
0
s2sdefault