Ritos de Amor

Criado: Quinta, 07 Fevereiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Agora, temos conseguido que Clara me beije ou abrace quando sai para o colégio e vai dormir – ontem, a derrubei enquanto me abraçava, o que não posso deixar que se repita para ela não mudar tal comportamento. É uma reaproximação ainda tênue, pois Clara ainda não me permite acaricia-la, mas me alegra.

0
0
0
s2sdefault

Beijos no Pai

Criado: Domingo, 03 Fevereiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Algum tempo após começar a beijar, Clara deixou de me dar beijos porque se machucou com meus óculos e descoordenação motora várias vezes. Hoje, espontaneamente ela me deu muitos beijos sabendo evitar os óculos, o que foi uma alegria para mim. Ela está aprendendo a lidar com minhas limitações.

0
0
0
s2sdefault

A Segurança do Pai

Criado: Sábado, 02 Fevereiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Nesta manhã, Silvia saiu para uma reunião na escola de Clara. Nossa diarista está aqui para fazer a faxina e fiquei observando se isso era suficiente para acalmar Clara. Ao ver que não, fui para a sala, passei a ver um jogo, Clara quis algo que a diarista não entendeu, chorou e foi se consolar botando a cabeça no meu colo. Então desci do sofá para ficar perto do tablet, Clara se sentou no meu colo e se tranquilizou. Ainda dou segurança a ela.

0
0
0
s2sdefault

Coordenação Motora e Ligação Afetiva

Criado: Sábado, 02 Fevereiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

A principal base da ligação de uma criança pequena com os pais é o contato físico carinhoso, o que exige movimentos finos e é justamente isso que minha descoordenação motora atrapalha, como esta foto ilustra. Fico me perguntando em que medida vou conseguir superar esse problema.

0
0
0
s2sdefault

Solidariedade ou Piedade

Criado: Quinta, 31 Janeiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Desde que vim morar em Curitiba, noto que a classe média daqui oferece muito mais ajuda às pessoas com deficiência do que em Recife e Fortaleza, e sem o tom de piedade e/ou estranhamento que é comum nestas duas cidades – também senti essa solidariedade maior no Beto Carreiro World, em Santa Catarina. Isso me surpreendeu mais porque, quando vão ao Nordeste, os habitantes do Sul geralmente falam que os nordestinos são mais solícitos – não com quem tem deficiência.

0
0
0
s2sdefault

Aventureiros

Criado: Quarta, 30 Janeiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Clara adora o canal de Luccas Neto no Youtube e, às vezes, brinca com seus personagens.

0
0
0
s2sdefault

Abraço da Filha

Criado: Sexta, 25 Janeiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Sou persistente, dizem até teimoso, de um modo tortuoso: tento muitas vezes fazer algo, se não consigo perco a paciência, penso que nunca mais vou querer saber daquilo, tempos depois surge da minha mente, não sei como, uma nova maneira de tentar e frequentemente acabo conseguindo. No início do ano passado, na hora em que Clara saia para a escola eu sempre pedia um beijo ou abraço, mas, após seu rosto se machucar seguidamente com meus óculos e descoordenação motora, ela passou a dizer logo “não” e parei de pedir, com tristeza. Neste mês, percebi que se me erguesse de joelhos não haveria risco de machucá-la, voltei a pedir e Clara, a me abraçar quando vai para o colégio, para minha alegria.

Gestos e movimentos triviais para a grande maioria das pessoas geralmente se tornam bem complicados para quem tem paralisia cerebral.

0
0
0
s2sdefault

Fisioterapia com a Filha III

Criado: Terça, 15 Janeiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Desta vez Clara participou da minha fisioterapia por vontade própria, para se divertir. Fiquei arrombado, pois ela já está com 13 ou 14kg.

0
0
0
s2sdefault

Dias de Praia

Criado: Terça, 15 Janeiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Silvia às vezes me chama de “franciscano” devido à minha economicidade e, em particular, relutância de comprar roupas. Em contrapartida, sua maior despreocupação com gastos de vez em quando me exaspera. Meses atrás, ela inventou de alugar por cinco dias uma casa na praia de Itajuba, em Santa Catarina, o que me aborreceu muito porque achei que esse dinheiro deveria ser poupado, por esperar um começo de ano financeiramente difícil – na realidade, nossas finanças estarão até melhores neste semestre. Depois, fiquei com medo de possíveis acidentes por irmos com quatro crianças inconsequentes – nossa empregada também ia e levaria a filha –, sobretudo pelo comportamento difícil da filha mais velha de Silvia.

As meninas realmente fizeram vários tumultos a cada dia ao ponto de termos de gritar com estas, mas nada de errado aconteceu. Passei boa parte da infância morando de frente para o mar, aprendi a lidar com ele mesmo se estiver bravio – algo notável para quem tem PC severa – e nunca perdi tal habilidade, embora vá à praia bem pouco. Nesses dias, minha maior diversão foi brincar com as ondas e só no último é que contei a Silvia que minha família nunca me deixou sozinho num mar bravio; quis fazer um vídeo disso, inclusive para tirar onda (!) dos meus familiares, mas na ocasião estava sem a prancha de comunicação e Silvia não me entendeu. Também passamos um dia no Beto Carreiro World, no qual, pelo tratamento preferencial a pessoas com deficiência, usamos um número maior de brinquedos do que se tivéssemos de enfrentar filas. Saí de Itajuba receptivo a essas viagens... desde que não prejudiquem nossas finanças.

 

0
0
0
s2sdefault

Compromisso Antiquado

Criado: Segunda, 07 Janeiro 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Uma amiga vem colocando fotos de rosto no perfil do Facebook tão editadas que rio dela cada vez mais. Um amigo publicou lá uma foto de uma ex-presidente que instantaneamente vi ser falsa, perguntei "você está mentindo ou perdeu a capacidade de discernimento?" e ele enrolou para fugir do assunto. Por outro lado, em novembro fiquei incomodado com as minhas fotos nos perfis de redes sociais serem de anos atrás, me preocupei em passar uma ideia falsa de como sou e as troquei, mesmo sabendo que mostraria meu envelhecimento. Esse meu compromisso com a "verdade" – apesar de saber das enormes dificuldades desse conceito – ou pelo menos com a autenticidade me deu a sensação de que me tornei antiquado, anacrônico

0
0
0
s2sdefault