Parecida com o Pai

Criado: Sábado, 16 Julho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Queria que nossa filha se parecesse com Silvia, para herdar sua beleza. Sou um péssimo fisionomista e não consigo ver semelhança alguma entre uma recém-nascida e seus pais, mas quase todo mundo acha nossa filha parecida comigo, o que deixava Silvia invocada porque a carregou por nove meses e, no fim, pouco puxou dela. Ela ficou querendo rejeitar tal semelhança até tirar as fotos abaixo. Então, Silvia disse que foi só uma “hospedeira” para mim, o que fez me sentir como o extraterrestre do filme “Alien, o Oitavo Passageiro”!

 

0
0
0
s2sdefault

Discriminação num Cartório

Criado: Quinta, 07 Julho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Cinco dias após o nascimento da nossa filha, Silvia e eu fomos ao Tabelionato Santa Quitéria para registrá-la. Há uma vaga de estacionamento para pessoas com deficiência em frente a esse tabelionato, a qual estava ocupada por três motos, o que nos obrigou a parar a dezenas de metros e, no terreno ondulado de Curitiba e com Silvia se recuperando de uma cesariana, só não foi um problema porque meu irmão estava conosco e conduziu a cadeira de rodas.

Após me fazer várias perguntas para verificar se sou responsável pelos meus atos, a funcionária que nos atendeu disse que precisaríamos de três testemunhas, uma para “assinar a rogo” por mim e as outras para o registro civil. Não poder fazer uma assinatura num documento devido à descoordenação motora é um eterno problema para mim. Não há motivo técnico para não se permitir o uso da impressão digital ou, como em alguns países, um carimbo reconhecido em cartório nos atos da vida civil – mas este é um problema da legislação brasileira. Nesta, porém, as duas testemunhas mencionadas pela funcionária só são necessárias ao registro civil se não houver a Declaração de Nascido Vivo, a qual temos – ela falou que o cartório estava seguindo o Estatuto do Tabelionato, mas este sequer menciona a palavra “testemunha”. Não temos tempo para uma disputa jurídica com o tabelionato, pois nossa filha precisa ser registrada para se tornar dependente no plano saúde de Silvia.

0
0
0
s2sdefault

Material de Divulgação

Criado: Domingo, 03 Julho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Este é o novo material de divulgação do blog, em português e inglês.

0
0
0
s2sdefault

Nascimento da Filha

Criado: Sexta, 01 Julho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Minha melhor amiga e meu irmão chegaram a Curitiba em 9 e 27 de julho, respectivamente, para nos ajudar no nascimento da nossa filha. Na primeira hora do dia 29, Silvia me acordou dizendo que estava saindo muito sangue e água de seu corpo. Nossa cama é alta demais e quase me esborrachei no chão ao ir chamar aqueles – depois Silvia passou a rir disso. Ela ligou para seu obstetra que, após as contrações começarem, a mandou ir à maternidade. Trocamos de roupa com pressa controlada, meu irmão foi dirigindo o carro orientado por ela, nos perdemos e só achamos a maternidade na segunda tentativa.

O médico de plantão constatou que Silvia estava mesmo em trabalho de parto. O obstetra e a pediatra logo chegaram, tendo o máximo empenho e atenção conosco. Havia uma dúvida se eu desmaiaria se presenciasse o parto, como ocorre com grande parte dos homens. Silvia sempre quis que o visse, eu nunca a deixaria sozinha nesse momento e não desmaiei. Nossa filha nasceu duas horas depois. A pediatra constatou que esta talvez tenha uma pequena má formação no quadril e ainda não sabemos em que medida seu pequeno tamanho será um problema. Enquanto Silvia está feliz e às vezes brincando que se arrepende de ter feito laqueadura de trompas – duvido que seja mesmo brincadeira –, meu estado de espírito é mais ambivalente – ora sinto felicidade e alegria, ora apreensão e medo, e meu nível de stress está bem alto, talvez por me ressentir de poder cuidar tão pouco das duas diretamente.

0
0
0
s2sdefault

Imagens do Fim da Gravidez

Criado: Segunda, 27 Junho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

0
0
0
s2sdefault

Penúltima Ecografia

Criado: Quinta, 16 Junho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Acompanhei Silvia em todas as ecografias, exceto a primeira, feita numa emergência. Ontem, foi a penúltima, a qual fez seu obstetra adiar seu parto para início de julho.

0
0
0
s2sdefault

Brincando de Desmaiar

Criado: Quinta, 16 Junho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Desde que conversamos sobre nossa vulnerabilidade em situações de emergência, Silvia criou a mania de brincar de desmaiar no meu colo. Fico apavorado temendo não aguentar seu peso cada vez maior e que ela caia de fato. Ela gosta de me ver nervoso.

0
0
0
s2sdefault

Passaporte

Criado: Terça, 14 Junho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Finalmente, obtive meu passaporte, encerrando uma novela de cinco meses. Silvia saiu da Polícia Federal especulando se fui um dos primeiros a utilizar o Estatuto da Pessoa com Deficiência para conseguir tal documento. Será que vou usá-lo antes do fim de sua validade?

0
0
0
s2sdefault

Expectativas para a Filha

Criado: Quarta, 08 Junho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

No início da gravidez, não consegui estabelecer se preferia que fosse menina ou menino, enquanto a preferência de Silvia era por um menino porque imaginava que seria viril como acha que sou, o que me surpreendeu muito porque nunca pensei em mim mesmo assim.

No dia em que comuniquei, em pânico, aos outros a gravidez de Silvia, minha melhor amiga me enviou um áudio chorando de emoção dizendo que esta filha será quem cuidará de mim quando tiver 102 anos; de forma menos exagerada, sempre que fala comigo outra amiga insiste na ideia de que esta é um seguro de vida para mim. Para mim, é uma tolice, bastando lembrar que cedo meu pai deixou de poder ajudar meus avós, sobretudo por ter dois filhos com deficiência, e apesar das minhas limitações acabei a 3000km da família – assim, p. ex, nada impede que nossa filha case-se com um finlandês e vá morar em Helsinque! E se a criasse com tal missão, é bem possível que se tornasse um grande peso do qual poderia querer se livrar.

Vivo dizendo, inclusive para atazanar Silvia, que nossa filha será baladeira, gostará de festa e de sair, praticará esportes radicais e vou levá-la para saltar de paraquedas – às vezes, ela cai na minha onda e fica preocupada, o que só me faz rir mais. Porém, não levo esses e outros desejos e expectativas a sério, pois onde existe vida há imprevisibilidade e imaginar que podemos determinar como serão os filhos é uma ilusão.

0
0
0
s2sdefault

Fim de Gravidez

Criado: Sexta, 03 Junho 2016 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Em novembro, Silvia teve um sangramento misterioso, seu ginecologista recomendou evitar esforço até o fim do primeiro trimestre da gravidez – ela não seguiu tal recomendação por muito tempo, logo estava saindo comigo – e falou que o mesmo deveria ocorrer no terceiro. Também nos assustamos com nossa vulnerabilidade se houvesse uma emergência; por vários meses, sempre que ela se levantava da cama à noite, eu me acordava, ficava escutando atentamente e até tirava o tapa olho com que durmo, para ver se Silvia estava passando mal, e só sossegava quando voltava à cama e dizia estar bem.

O médico que fez as ecografias de fevereiro e março foi um sinistro descendente de japoneses, que digo ser um personagem do filme “O Grito”, para quem qualquer desvio da média dos parâmetros medidos pelos exames era motivo de preocupação. Aquelas ecografias mostraram que o feto estava pequeno e as artérias uterinas de Silvia estavam restritas, o cara nos assustou, mas os médicos que fizeram as ecografias seguintes nos tranquilizaram, dizendo que nossa filha deve nascer pequena, mas saudável. A última ecografia indicou que essa restrição arterial desapareceu, este e outros exames mostraram que Silvia está tão bem que o ginecologista tem dito para continuar levando vida normal e ela ainda me dispensa todos os cuidados que necessito, exceto meu banho. O contraste entre minhas apreensões e a relativa tranquilidade deste fim de gravidez veio à tona em abril, quando participamos do festival Comida di Buteco, pois achava que praticamente não poderíamos sair de casa.

0
0
0
s2sdefault