Comunicação não-Verbal

Criado: Sexta, 12 Abril 2019 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Clara estava refratária comigo ontem à noite até que, na hora de dormir, cheguei triste ao seu quarto (isso nada tinha a ver com ela), exclusivamente pela minha expressão facial – apesar dos sinais de tristeza nesta estarem bem sutis e de eu não ter falado um pio – ela percebeu como me sentia, disse “eu te amo”, saiu do quarto alardeando para Silvia “eu amo o papai” e me abraçou e beijou. Clara já sabe quando fico triste, mesmo que eu nada diga.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

0
0
0
s2sdefault